Mediunidade

DA PINTURA MEDIÚNICA

"Durante a sua existência terrena Van Gogh assumiu o compromisso com a arte; na espiritualidade, com Jesus."

O fenômeno da pintura mediúnica, intitulado psicopictoriografia, é belo e complexo. Jamais uma obra se repete, ainda que seja o mesmo tema ou motivo, e as técnicas mudam inesperadamente de uma para outra obra, sem intervalo. O transe mediúnico se caracteriza por muitos aspectos: a diversidade de estilos numa só apresentação semelhantes ao do artista espiritual que assina a tela, o emprego de cores e modelos preferidos pelos pintores quando encarnados, a alta velocidade na confecção das obras e a total ausência de modelos.

A pintura mediúnica é complexa porque a espiritualidade maior afirma que existem mil razões muito além do simples fato de materializar uma obra, pintando-a.

Equipes espirituais antecedem o horário do evento, transformam energeticamente o local num verdadeiro pronto socorro. Energias oriundas da natureza não poluída e da espiritualidade maior são recolhidas para o local. Colhem das plantas e das flores a essência de ervas medicinais para aliviar a dor e curar a matéria ou espírito, tanto dos encarnados como dos desencarnados.

Estão a postos para atender aqueles relacionados a distúrbios psicossomáticos, como sentimentos de angustia, estresse, neuroses, depressão, alcoolismo, toxicomania e tantas outras enfermidades da matéria e do espírito.

Todos os presentes são assistidos pelas equipes espirituais, físicas ou perispiritualmente. Conduzem a distancia remédios para os entes queridos enfermos, solicitados ou não, tudo de acordo com a necessidade emergencial.

No local, ainda, as equipes espirituais trazem entes queridos desencarnados e até amigos saudosos para matar a saudade num abraço afetuoso. Aqueles que ainda não possuem entendimento do seu desencarne, recebem orientações e tratamento específico.

Muitas vezes são retratados espíritos ali presentes, ligados a alguém da platéia. Outras vezes pedem para entregar a determinada pessoa uma obra que lhe fará bem. Nenhuma obra é feita simplesmente por ser feita. Tem o seu objetivo e direcionamento certo. A obra é feita já com destino à pessoa ou família, razão pela qual, em todas as apresentações uma ou mais obras são sorteadas para o público presente, a fim de atingir o seu objetivo sem onerar ninguém.

Através da cromoterapia, as cores, que possuem energias específicas são utilizadas para combater a enfermidade, tanto das pessoas presentes, como espíritos que buscam socorro. A energia fornecida pelos presentes é manipulada pelos benfeitores e transformada em remédio e transportada às vezes a distancia para curar o espírito ou a matéria, de acordo com o merecimento de cada um.

A obra pictórica é uma simples conseqüência que acaba quase se perdendo diante dos grandes valores e finalidades que a antecedem.

Todas as obras sempre estarão impregnadas de energia do autor espiritual, do médium, do ambiente e de tantos outros benfeitores da espiritualidade, transformando-a num dínamo constante e eterno auxiliando o equilíbrio do ambiente, de um lar, e consequentemente de todas as pessoas que porventura venham ter contato com ela.

A equipe de pintores executa o seu trabalho. Com eles os médicos espirituais sob a coordenação do Dr. Bezerra de Menezes, muitos benfeitores espirituais estão sempre presentes, entre eles destaco: Meimei, Sheila, Dr. Antônio, Jerônimo Mendonça etc.

Para que seja autorizada uma apresentação mediúnica é necessária que a família espiritual esteja completa, cada um executando a sua tarefa, bem como a equipe dos encarnados. Temos, por exemplo, o nosso amigo espiritual Thomaz, que é responsável pela coordenação energética que circunda a mesa de trabalho. Nenhum espírito adentra aquela faixa sem autorização, afim de não criar transtorno para o médium nem para o público.

Todas as obras já estão plasmadas na espiritualidade. Após exame minucioso da necessidade cromoterápica das pessoas presentes e espíritos, o coordenador Van Gogh escolhe as obras e autoriza o espírito pintor a executá-las. Esta escolha recai inicialmente nos quadros com as cores necessárias ao socorro, para depois escolher as formas e os temas, às vezes um mero traço de determinada cor na feitura de uma simples folha, vale como remédio certo a uma pessoa ou espírito, muito mais que uma grande paisagem multicolorida. A equipe espiritual sábia em nome de Jesus, diante da necessidade dos irmãos manipula o remédio de acordo com a energia de uma cor em sua quinta essência.

A pintura por mais bela e empolgante que seja jamais poderá ser transformada em espetáculo. E todo o processo de efetivo exercício deverá ter como ambiente natural o centro espírita (nos referimos aqui ao desenvolvimento mediúnico da pintura).

As cores curam e dão equilíbrio.

O socorro espiritual é bem maior do que podemos imaginar e transportar em palavras para o papel. A simples curiosidade às vezes é motivo para o seu despertar. Outras vezes uma simples lágrima que rola involuntariamente pelo rosto, faz eclodir na alma a emoção da paz e do amor. Quando eles chegam desesperados recebem o bálsamo da esperança. Para os confusos, o mapa da sabedoria cristica. Aos aflitos, o consolo. Aqueles que vêm doentes da matéria e do espírito, o remédio divino. Aos perdidos dão a estrela guia, chamada evangelho.

Eis as razões em pinceladas breves do alcance infinito que podemos obter através da pintura mediúnica, auxiliando os necessitados em nome da caridade e da arte.

© 2013 Orlando Padovan. Todos os direitos reservados
Trabalho Filantrópico
Criação e desenvolvimento:
EstudioHS